quinta-feira, 13 de março de 2008

O futuro dos jornais impressos

Este é um tema de grande debate em muitas mídias por aí, geralmente ninguém chega a uma decisão concreta. A vontade de realizar uma pesquisa sobre esse assunto foi aumentando cada vez mais, principalmente quando comecei a cursar jornalismo. A faculdade na qual estudo, em uma de suas disciplinas; os alunos teriam que realizar um projeto de pesquisa com o tema livre.
Não tive dúvidas, me reuni com alguns amigos de faculdade e começamos a discutir a idéia, após vários temas saiu o que eu mais queria “com o crescimento da internet, o jornal impresso vai acabar?” Fechado o tema, iniciamos as pesquisas. Foi uma dedicação de todos os membros do grupo para que obtivéssemos uma conclusão conveniente.
Algo que me deu base foi á teoria de Paul Lazarsfeld no qual ele defende a idéia do “Todos ou nenhum, que nenhum meio substitui o outro, e sim que se complementam” Sendo assim, a internet avançou muito, mas, não acabou com o rádio, nem com a tv e muito menos com o jornal impresso. Dados da ANJ (Associação Nacional de Jornais) em 2006, havia 3.076 jornais no país, que somavam uma tiragem média de 7.230.285 exemplares.
Falando na economia, com o crescimento do PIB, as vendas dos jornais sobem, quando o PIB retrai, a circulação diminui. Mesmo com essa explosão das mídias eletrônicas o jornal impresso sobrevive como meio de comunicação mais antiga; as mudanças que os jornais foram obrigados a fazer são: modernizar-se tendo um jornalismo mais seletivo, analítico e transferindo sua credibilidade para as versões on-line.
Para os leitores que procuram credibilidade, o jornal impresso ainda é o mais indicado, pois as suas matérias são mais ricas em conteúdo informativo, diferentemente do on-line, onde a informação contida nos textos é básica. Sem falar na dificuldade que é para se ler uma matéria na tela do computador; é horrível! Lógico que não podemos deixar de lado a agilidade da internet para tudo, mas substituir o jornal impresso vai ser difícil . Talvez a tiragem dos jornais possa até diminuir, mas acabar não... Para quem é apaixonado pelo jornal impresso como eu podemos dizer que em curto prazo ele não vai acabar, entretanto fica uma pergunta: E em longo prazo, será que os jornais podem desaparecer? Essa será uma pergunta respondida no livro de Philip Meyer que não é necessário ser falado agora.

2 comentários:

  1. Discordo, claro que vai acabar, um dia vai acabar como deve ser o fim do mundo.Brincadeiras a parte, você tem razão, o jornal não irá acabar mas sim evoluir como evoluiu a tv e o rádio.Agora por que você não citou sua faculdade e não foram todos que participaram não.

    ResponderExcluir
  2. Ei Régis

    Esse poderia ser então o resumo de seu TCC. Não acha?

    Mas o que acho a respeito é o seguinte. Concordo com Lazarsfeld. Ou todos ou nenhum. Da mesma forma que o Metrô não substituiu os trens, nem mesmo os aviões substituiram os navios. Tudo se complementa, principalmente para a mídia. Já imaginou um local onde não tem internet? As pessoas devem se informar principalmente pelos meios primários de informação, como o jornal, o rádio e a TV.

    Pau na máquina, rapaz! Continue!

    ResponderExcluir