terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Ilha do Tamanduá: Ela precisa ser visitada e o mais importante; PRESERVADA

terça-feira, janeiro 15, 2019

Ilha do Tamanduá: Ela precisa ser visitada e o mais importante; PRESERVADA. Isso mesmo; repito essa frase pois presenciei as belezas naturais e o sossego que a ilha tem. No entanto, também percebi pessoas sem preocupação com a natureza e ao visitar a ilha, não recolhem seus lixos. 

Mas vou falar como foi minha experiência em conhecer a Ilha do Tamanduá. Foi show de bola, o Caribe Caraguatatubense. Durante o verão são realizados passeios de barco para ilha. Fui pela praia da Coconha, localizada na região norte da cidade, no bairro Massaguaçu. Afinal, conheço alguns pescadores lá. Eu fui conhecer a ilha junto com alguns membros da minha família. Fiz minha vó andar de barco pela primeira vez, kkkk, ainda bem que ela gostou. Ah, e no caminho conhecemos a criação de mariscos, próximo à Ilha da Cocanha.
Criação de Mariscos 
Apenas dois lados da Ilha do Tamnduá dão acesso a um restaurante e outro em um quiosque, ambos com praia. Mas você também pode levar sua água, lanches leves, nada de macarronada, protetor solar e repelente. Já os outros lados são formados por pedras e plantas nativas, lindas por sinal.

A ilha do Tamanduá tem água cristalina e não muito salgada. Um ambiente para quem gosta de ler um bom livro, fugir da rotina e pensar nas belezas da nossa natureza. Onde eu fiquei, conheci uma família caiçara, tradicional de pescadores, onde já havia morador desde a década de 50. O nome da família não vou falar, deixo para vocês descobrirem quando visitarem a ilha.  


Lá tem água potável de uma nascente também e várias placas sinalizando a importância de preservar a natureza da ilha levando seu lixo. Ultimamente alguns turistas querem fazer churrasco na ilha, outros ficam e jogam seus lixos e não recolhem, o que gera grande problema ambiental. Infelizmente vi a raiz de uma árvore cortada e queimada porque algumas pessoas sem consciência queriam fazer churrasco.  Sem comentários não é mesmo gente?

Poxa, a Ilha pode ser visitada, mas leve seu lixo de volta, foi você que produziu ele durante seu passeio. Me fez lembrar de um post que todo ano repito - Não tenho culpa se eu moro onde você passa suas férias. Não prejudique o mar, seus animais marinhos e sua fauna. Desfrute dela com consciência.
Preservar a natureza é obrigação de todos. 
E você, já conhece a ilha do Tamanduá? 

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

A mudança está dentro de você todos os dias

quinta-feira, janeiro 03, 2019

A mudança está dentro de você. Escreva sua história. 2019 iniciou e todo mundo começa o ano com suas promessas, expectativas e metas. Outros já iniciam o ano pensando no fracasso e nas suas reclamações. Nada está bom e nada dará certo. Mas o que você está fazendo para mudar? Qual pensamento você deve manter? A mudança está dentro de você. Em suas atitudes.

Na minha adolescência eu andava de skate e uma das filosofias era nunca desistir mesmo errando ou caindo durante as manobras. Na estrada da vida não é muito diferente. Sempre acreditei que a palavra e seu pensamento tem o poder de atrair o que você deseja, ao mesmo tempo, você corre atrás de suas motivações e inspirações.

É muito mais fácil reclamar ou muitas vezes jogar a culpa de suas derrotas pessoais em outras pessoas. Mas apenas você é capaz de mudar e fazer tudo o que deseja. Claro que nada na vida é fácil, mas como dizia Chorão da banda Charlie Brown Jr, “o impossível é só questão de opinião”.

Faz um tempo que escrevi uma crônica em um site de Guaxupé intitulada Viver ou Existir...Eis a questão! No início do texto digo “ao observar as pessoas no seu dia-a-dia tenho que concordar com a frase do escritor e dramaturgo Oscar Wilde, “Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria apenas existe”. E as coisas não mudam. Entra ano e vai ano e as pessoas existem como robôs ao invés de viverem. 

Arrisque mais, erre mais, acerte mais, não importa; apenas viva. Mude sua forma de pensar, de agir. Seja bom, hospitaleiro e coloque-se no lugar da outra pessoa. Inverta os papeis. Não adianta reclamar se você não tentar mudar. Afinal, a mudança está dentro de você. Escreva uma nova história. Esse foi meu primeiro post do ano. Em breve o blog TJM trará mais novidades.  

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Carta de amor aos livros 2 : Leia um livro por favor

segunda-feira, dezembro 03, 2018

Carta de amor aos livros é o título do texto de Luiz Schwarcz, um dos fundadores da editora Companhia das Letras. Eu tive a audácia de colocar o mesmo título em meu texto por entender a preocupação de Luiz e ser solidário a essa causa. Também sou um amante de bons livros e não quero ver estampados nos jornais empresas propagadoras de cultura entrando em recuperação judicial por questões financeiras.

Muitos podem falar que as editoras não entenderam que o digital irá dominar. É o futuro. Neste meu simples texto, eu não estou aqui para criticar os erros dessas empresas que chegarem nesse ponto. O fato preocupante é aumentar o público de leitores no país, ou seja, incentivar o hábito de leitura. Essa é minha preocupação.

Como professor conheci alunos que não conseguiam ler e interpretar um texto. As desculpas são sempre as mesmas, ‘nossa tudo isso de texto’, ‘texto de novo’, ‘ai não entendi, fala pra mim’ e por aí vai. Uma matéria divulgado pelo jornal Estado de SP, 44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro. Isso é um grande problema.

Fico imaginando como essa galera perde de viajar, sonhar e ter opiniões embasadas ao deixar de ler um livro, um jornal e até mesmo uma tirinha. Eu já disse em outros posts aqui no blog que ler me ajudar a acabar com meu stress, mas nem todos são assim.

O pensamento que ler é ruim precisa ser mudado. Ler é gostoso e muito prazeroso. Com esse texto intitulado, ‘Carta de amor aos livros 2: Leia um livro’ - tento fortalecer o elo e não quebrar essa corrente em prol da leitura. Eu procuro fazer minha parte, mas sozinhos não somos nada. Juntos somos mais forte. Vamos comprar livros, doar livros, incentivar a leitura de seus filhos, parentes e alunos. Comece com apenas 5, 10, 15 minutos por dia, mas criar esse hábito ajuda muito.

Acredito que se fizermos um trabalho de formiguinha conseguiremos espalhar muita cultura pelo nosso país e pelo mundo. Essa é minha reflexão de hoje. Compartilhem essa ideia comigo em suas redes sociais.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Resenha: E assim foi a vida, livro da escritora Elilde Browning mostra que a vida é feita de superação e escolhas

segunda-feira, novembro 26, 2018
Foto: Francine Farfan

Hoje, a resenha é do livro ‘E assim foi a vida’, escrito por Elilde Browning, publicado pela editora Artêra. Em resumo, o livro é incrível. Como muitos sabem, não sou muito fã de romances, mas a narrativa deste livro me surpreendeu. Em alguns eventos em minha cidade, tive o privilégio de conhecer a autora do livro, muito simpática e extremamente culta.

Mas para falar sobre o livro tem um pensamento que resume muito sobre o livro, “nada neste mundo é perfeito. Todas as situações têm os seus prós e seus contras. E, numa avaliação profunda, tudo vale a pena viver”. Realmente, a personagem Lenira Silveira pode dizer com todas as palavras, E assim foi a vida. O livro é rico por descrever vários países e cidades brasileiras durante as viagens da personagem. É conseguir viajar através das palavras, entender culturas e entender os porquês de cada atitude de Lenira.  

Cada um tem sua história, uma trajetória, um caminho a seguir, mas ao ler esse livro, é fácil notar que Lenira nunca desistiu de seus sonhos, objetivos e principalmente de sua família.  Algumas situações bem comuns onde cada pessoa que ler a obra poderá se identificar com cada situação; seja ela no amor, na questão profissional, na família e na superação de obstáculos. Na vida sempre precisaremos tomar uma decisão e ninguém poderá fazer isso além de nós mesmos. Outro detalhe importante que precisa ser destacado, é a fé demonstrada pela personagem. Sempre colocando Deus em sua vida. 

Eu indico o livro para todos aqueles que acreditam em seus sonhos e buscam superar as situações mais adversas que possa estar passando. A vida nem sempre é fácil, mas somente nós poderemos mudar cada situação. Conforme conversado com Elilde Browning, o livro foi escrito em apenas 6 meses, um trabalho muito gratificante para ela, que além de escritora, faz seus mosaicos.

Livro


E assim foi a vida é um romance de ficção com características filosóficas e existenciais e nuances de autoajuda.  
É a história de uma menina pobre, órfã de pai, nascida no interior da Bahia, de uma família de 13 irmãos e que um dia pensou: 
“Nascer pobre independe de nossa vontade. Permanecer pobre é uma escolha própria de cada um”.

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Resenha: Amoras é o primeiro livro infantil do rapper Emicida

quinta-feira, outubro 25, 2018

Amoras é o livro do rapper Emicida com ilustrações de Aldo Fabrini, da editora Companhia das Letrinhas, selo editorial do grupo Companhia das Letras. O livro me surpreendeu. Claro que vindo de Emicida, já imaginava um livro com muita representatividade. Mas infantil? Muito inspirador, lindo de ver e ler. O meu resumo é; uma obra com linguagem simples, desenhos simples que toca qualquer leitor.

Acredito que Emicida conseguiu transmitir em Amoras a mensagem de maneira incrivelmente lúdica. Os detalhes fazem toda a diferença.
Trata a questão da igualdade entre as crianças, a inocência que não faz distinção de cor, raça, classe social. Somos todos iguais. Além disso resgata personalidades sobre Zumbi dos Palmares e Martin Luther King. Isso no glossário que o livro traz, mostrando o significado de palavras e de outros nomes. Eu realmente estou encantado. Uma obra literária rica em semântica e semiótica. 

Já li o livro três vezes e indico a todos os pais a lerem aos seus filhos. Emicida disse em um de seus vídeos, “os filhos são reflexo dos pais quando ninguém está olhando”. Se você tem a mente aberta, é uma pessoa consciente de que os adultos criam as diferenças entre seus povos, não deixe de ler esse livro. Seu filho irá entender que mesmo em uma sociedade hipócrita, ele será um adulto melhor. Em um período com muitos discursos de ódio, uma criança com seu olhar e palavras inocentes, é capaz de nos tirar um sorriso e ensinar que o amor constrói uma vida feliz.


Um livro que rega as crianças com o olhar cristalino de quem sonha plantar primaveras para colher o fruto doce da humanidade. – Sergio Vaz

Apresentação

Na música “Amoras”, Emicida canta: “Que a doçura das frutinhas sabor acalanto/ Fez a criança sozinha alcançar a conclusão/ Papai que bom, porque eu sou pretinha também”. E é a partir desse rap que um dos artistas brasileiros mais influentes da atualidade cria seu primeiro livro infantil e mostra, através de seu texto e das ilustrações de Aldo Fabrini, a importância de nos reconhecermos no mundo e nos orgulharmos de quem somos — desde criança e para sempre.

Título original: AMORAS
Páginas: 44
Formato: 20.50 X 20.50 cm
Peso: 0.161 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 14/09/2018
ISBN: 9788574068367
Selo: Companhia das Letrinhas


terça-feira, 23 de outubro de 2018

Resenha: Enterre seus mortos

terça-feira, outubro 23, 2018

Enterre seus mortos é um livro cheio de filosofias e suspense, da autora Ana Paula Maia.
A capa me chamou muita atenção, o que me fez ler o livro primeiro que os outros da minha lista. Quando li a sinopse falando “Edgar Wilson é “um homem simples que executa tarefas”. Trabalha no órgão responsável por recolher animais mortos em estradas e levá-los para um depósito onde são triturados num grande moedor. Seu colega de profissão, Tomás, é um ex-padre excomungado pela Igreja Católica que distribui extrema unção aos moribundos vítimas de acidentes fatais que cruzam seu caminho. 

A rotina de Edgar Wilson, absurda em sua pacatez, é alterada quando ele se depara com o corpo de uma mulher enforcada dentro da mata. Quando descobre que a polícia não possui recursos para recolhê-lo — o rabecão está quebrado —, o funcionário é incapaz de deixá-lo à mercê dos abutres e decide rebocar o cadáver clandestinamente até o depósito”, pronto, já me deixou curioso.

Fez entender como a situação de nossas vidas pode mudar de uma hora para outra e como nós iremos agir em momentos onde precisamos demonstrar amor pelo próximo. Faz críticas sociais de forma leve e culta. Claro que cada leitor irá interpretar de sua maneira, no entanto, a questão humana prevalece. Principalmente pelos amigos não deixarem um ser humano jogado na mata para ser devorado pelos abutres. Você poderá entender que o livro pode ser de ficção, realidade ou representação. Não importa, leia.


Enterre Seus Mortos me fez refletir sobre questões como governo, religião, profissionalismo, crime organizado e como nós podemos estar à mercê disso tudo diariamente. Uma narrativa surpreendente, um pouco lenta para alguns, mas acredito que para uma reflexão a narração está perfeita. Li uma vez e vou colocar na minha lista de leitura novamente, pois é um livro que todos precisariam ler e refletir. Minha dica como leitor é; não perca nenhum detalhe, pois perderá desfechos importantes desta história.

Título original: ENTERRE SEUS MORTOS
Autor: Ana Paula Maia
Capa: Guilherme Xavier
Páginas: 136
Formato: 14.00 X 21.00 cm
Peso: 0.206 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 19/03/2018
ISBN: 9788535930672
Selo: Companhia das Letras


quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Venom: O filme que me fez voltar ao cinema

quinta-feira, outubro 11, 2018

Venom foi um filme que me fez voltar ao cinema. Fazia tempo que eu não ia ao cinema assistir filme, comer pipoca com manteiga e tomar refrigerante. Após ler em jornais, sites e ouvir amigos questionarem alguns pontos do Herói/Vilão, fiquei mais curioso. Claro que não darei Spoiler, fique tranquilo.
O filme Venom, baseado no personagem da MarvelComics tem ação, ficção científica, suspense, aventura e humor. Claro que de cara já me identifiquei com o filme pela questão de Eddie Brock ser repórter investigativo. E sim, por conhecer o vilão dos quadrinhos e no filme do Homem Aranha.

Outro fato interessante do filme Venom foi ele mostrar que a vida de uma pessoa pode ter altos e baixos. Se você for jornalista e acabar mexendo com uma pessoa muito poderosa, você poderá ser demitido e sua vida acabar no fundo do poço, como Eddie. No entanto, não importa sua profissão, imprevistos acontecem e nossa vida pode mudar do nada. Como vamos lidar com isso? Vamos nos entregar ou dar a volta por cima? Uma boa reflexão não acha?

Outra curiosidade é a questão ética entre Eddie e Venom, onde o repórter tenta ensinar Venom que no mundo existem pessoas boas e ruins. Ou seja, nem sempre é fácil lidarmos com os monstros que existem dentro de nós; não é mesmo? Como podemos lidar com isso?
Situações que me chamaram a atenção. Claro que recomendo o filme e já falo, no final, após os créditos, ainda tem 2 cenas extras. Só não posso falar quais são. Depois me falam o que acharam do filme.  


SINOPSE E DETALHES

Não recomendado para menores de 14 anos

San Francisco, Estados Unidos. Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista investigativo, que tem um quadro próprio em uma emissora local. Um dia, ele é escalado para entrevistar Carlton Drake (Riz Ahmed), o criador da Fundação Vida, que tem investido bastante em missões espaciais de forma a encontrar possíveis usos medicinais para a humanidade. Após acessar um documento sigiloso enviado à sua namorada, a advogada Anne Weying (Michelle Williams), Brock descobre que Drake tem feito experimentos científicos em humanos. Ele resolve denunciar esta situação durante a entrevista, o que faz com que seja demitido. Seis meses depois, o ainda desempregado Brock é procurado pela dra. Dora Skirth (Jenny Slate) com uma denúncia: Drake estaria usando simbiontes alienígenas em testes com humanos, muitos deles mortos como cobaias. 

TRAILER


terça-feira, 2 de outubro de 2018

Resenha: “A criança no tempo”, livro de Ian McEwan

terça-feira, outubro 02, 2018

A resenha de hoje é sobre o livro “A Criança no Tempo”, do escritor Ian McEwan. Um drama narrado de forma incrível e bem reflexivo por sinal.
Numa ida rotineira ao supermercado, Stephen Lewis, escritor bem-sucedido de livros infantis, se depara com a maior agonia de um pai: Kate, sua filha de três anos, desaparece sem deixar rastros. E daí vem o desenrolar da trama.

O livro mostra que algumas situações em nossas vidas podem mudar de uma hora para outra, os imprevistos podem acontecer e modificar nosso cotidiano.   
Será fácil para um pai perder sua filha em questões de segundos? Como explicar para sua esposa Julie?  Numa imagem terrível que se repete ao longo dos anos seguintes, ele percebe que a garota não vai voltar.

Como será a vida dos dois? Ambos conseguirão se recuperar dessa perda?
Questões que fazem o leitor a acompanhar o desenrolar dos dramas pessoais, profissionais e sociais da história.
Para os amantes de uma boa história, A Criança no Tempo é uma boa leitura para entendermos que a vida prega peças e somente nós podemos conviver com a dor da perda.

Sinopse: Numa ida rotineira ao supermercado, Stephen Lewis, escritor bem-sucedido de livros infantis, se depara com a maior agonia de um pai: Kate, sua filha de três anos, desaparece sem deixar rastros. Numa imagem terrível que se repete ao longo dos anos seguintes, ele percebe que a garota não vai voltar.
Com ternura e sensibilidade, Ian McEwan nos leva ao território sombrio de um casamento devastado pela perda de um filho. 

A ausência de Kate coloca a relação de Stephen e de sua esposa Julie em xeque, enquanto cada um deles enfrenta à sua maneira uma dor que só parece se intensificar com o passar do tempo. Vencedor do Whitbread Award, A criança no tempo discute temas como ausência, luto, culpa e as marcas indeléveis que um acontecimento pode deixar em uma família. Um romance surpreendente de um dos melhores escritores de sua geração.