segunda-feira, 23 de abril de 2018

Jornal do Massaguaçu - Um sonho realizado

segunda-feira, abril 23, 2018
Olá pessoal! Começo esse post com um trecho de uma música que não resume totalmente o Régis, mas quando ouvia alguns trechos só lembrava dele...

Ele é um tapa na cara
De quem duvidou
Vários quando viu não acreditou
Enquanto você se queixava
O mano estudou
E agora tem o seu valor

Vocês lendo isso e perguntam: "o que isso tem a ver com o título do post?" E eu respondo: Tudo.

O Régis sempre correu atrás daquilo que ele acreditava e muitos não acreditaram nele, até as pessoas próximas que você acha que poderiam estar apoiando mas por trás falavam que é loucura, que a pessoa nunca vai conseguir. É pessoal sinto dizer que ele conseguiu, realizou o sonho de ter um jornal. 

Hoje apresento pra vocês o Jornal do Massaguaçu!


Há um tempo atrás o Régis veio me falar da vontade de ter um jornal impresso além do blog. Ele sempre se dedicou ao blog, mas queria algo mais, queria levar conteúdo para mais pessoas.
As pessoas podem pensar que o jornal impresso vai acabar, mas eu ainda acho que ele terá vida longa, pois muitas pessoas ainda preferem ler o impresso, eu mesma não consigo ler um livro na tela do computador, tem que ser impresso.

Pensando nas pessoas amantes do jornal impresso, Régis começou a trabalhar nessa ideia, foi atrás de parceiros e lançou o primeiro exemplar do Jornal do Massaguaçu exaltando a Cultura Caiçara.


Para ler a primeira edição você pode clicar na imagem que ficará fixa na lateral do blog ou pode clicar na imagem abaixo:


Gostaria de parabenizar o Régis por essa empreita! Primo eu sempre soube que tu ia conseguir o que tu almejava.


Espero que tenham gostado do post!
Beijos



sábado, 24 de março de 2018

O Ouro líquido da humanidade precisa ser preservado

sábado, março 24, 2018


É assim que penso. Á água está cada vez mais escassa no mundo. E com o tempo ela realmente está virando o ouro líquido da humanidade.  Na última quinta-feira (22) foi comemorado o dia mundial da água. Aqui no litoral norte sei que o Instituto SUPERECO faz um trabalho bem bacana. Bora lá conhecer mais um pouco.

O Instituto Supereco está mostrando todo o trabalho desenvolvido no litoral norte por meio projeto Tecendo as Águas, patrocinado pela Petrobras por meio do programa Petrobras Sócio Ambiental, no Fórum Mundial das Águas, em Brasília (DF).

É importante destacar, que além da Petrobras, o Projeto conta com uma rede de parceiros, entre eles Instituto Educa Brasil, Prefeitura de Caraguatatuba, Prefeitura de São Sebastião, Refresh Brazil, Organização Brasileira das Mulheres Empresárias (OBME), centro de Educação Ambiental de Guarulhos (CEAG), Comitê de Bacia Hidrográfica do Litoral Norte (CBH-LN), Instituto Trata Brasil, Associação Sebastianense de Promoção Social (ASPS) e Diretoria Regional de Ensino.

O “Tecendo” foi escolhido entre projetos sociais de todo Brasil como um “case de modelo de projetos  socioambientais”, em mobilização e protagonismo comunitário.

São quatro objetivos:

- Sensibilizar as lideranças comunitárias na área de abrangência do “Roteiro Caminho das Águas” com ênfase na conservação dos recursos hídricos e naturais, turismo sustentável, gestão integrada e destinação adequada dos resíduos, preservação da biodiversidade e do patrimônio histórico cultural; 

- Desenvolver um Programa de Formação Continuada com a comunidade pesqueira para das lideranças relacionadas à pesca, artesanato, gastronomia, comércio e turismo sustentável na Bacia do Rio São Francisco, em São Sebastião; 

- Implantar um sítio escola, que seja uma referência em educação e difusão de boas práticas agroecológicas, ecoeficiência e conservação de recursos hídricos na Bacia do Rio Juqueriquerê, em Caraguatatuba; 

- Fomentar o protagonismo juvenil e comunitário usando temas socioambientais e culturais pela educação ambiental, por meio da oficina de educomunicação, com os alunos da Escola Estadual Nair Ferreira Neves, em São Sebastião, que propõe a formação de jornalistas mirins que poderão colocar em destaque as ações do bairro, e do trabalho de apoio a projetos de sustentabilidade, com os projetos sociais mantidos pela Associação Sebastianense de Promoção Social (ASPS); 

A proposta do Projeto é trabalhar a questão da água como um direito humano essencial. O “Tecendo” trabalha no sentido de unir a água no campo da educação, agricultura, saúde, questões sociais, da comunicação, educomunicação, pensando justamente,  como as pessoas podem estar fortalecendo as instâncias ondem participam e também o território como um todo. As mudanças acontecem a partir das boas práticas. 

Divulgação/Facebook
É preciso despertar na comunidade, em nossos atores locais, a capacidade o potencial que uma região tem de promover uma mudança local conectada com as questões ambientais globais. E é isso que o Tecendo as Águas faz. Ele olha a água como na perspectiva de uma bacia hidrográfica que não tem fronteira, e sim um curso, uma diretriz principal. Os afluentes são todas as ações positivas.
A água precisa ter verdadeiro sentido na vida das pessoas. A questão é muito mais profunda do que pedir para fechar a torneira. É necessário criar um significado nas questões ambientais.

A própria cobrança da água pode ser um grande norteador para os planos governamentais na área da educação, no próprio setor produtivo ou no comercial. É necessário rever o conceito, a forma de produção, o que representa para a sociedade, e não só para um indivíduo ou um segmento produtivo.

Conforme explica a coordenadora geral do projeto “Tecendo as Águas”, Andrée de Ridder Vieira, “aquilo que pode ser um desafio ou uma fragilidade, que é a cobrança pelo uso da água pode se tornar uma grande oportunidade de dar um grande valor para esse bem social. E não é o valor econômico, mas de significado, de propósito. Isso passa pela transformação individual ou coletiva. Seja na política pública ou no pedaço de cada um, dentro de casa, no espaço de lazer, no trabalho, na cidade como um todo. Quando a gente observa que as pessoas continuam discutindo a água como uma propriedade, de novo não estamos atingindo a raiz do problema. Dessa forma, cria-se muito mais uma possibilidade econômica do que o processo de transformação societária que precisamos ter”.

Assim, no Dia Mundial da Água o Tecendo as Águas está mostrando o litoral norte para o mundo, mostrando que conscientização e preservação precisam andar de mãos dadas.




terça-feira, 20 de março de 2018

Nhá Rita e Leco Borba; os contadores de histórias Caiçaras

terça-feira, março 20, 2018

*Nhá Rita e seus causos engraçados 

Hoje foi dia de visitar a casa de um casal caiçara, bem conhecido e amado em Caraguá. Você sabe quem é? Eu tenho o privilégio de conhecê-los. É a Nhá Rita e o sr Leco Borba. Eles vivem na sua casinha humilde e tradicional, aqui no município. Procuram manter a tradição caiçara, mesmo com tanta tecnologia. Afinal, o que adianta ter tudo nas mãos se o mais gostoso da vida são as descobertas?

Infelizmente, o Leco Borba estava no mar pescando e ia chegar muito tarde. Desta vez eu não consegui ajudar ele a arrumar sua rede de pesca. Teve que ficar para outro dia. 
Enfim, tomei café com a Nhá Rita. Simpática e muito engraçada sempre tem um causo interessante.  Além de boas histórias e um ótimo café de garapa, fiquei sabendo que o Leco Borba foi engolido por uma baleia gigante e ficou 3 dias em alto mar. Mas voltou cheio de peixes para sua casa. E com mais histórias.

Nem preciso falar; todo causo que ouço da Nhá Rita, ou eu choro de rir, ou eu choro de rir. Curioso que sou, eu até perguntei a idade dela, afinal eu os vejo há anos. Acredita que ela tem apenas 30 anos? Perguntei como ela pode ser tão jovem e ela me disse que são os chás caiçaras.  Bom, eu comi banana, tomei café e papiei muito. De lá fui para minha humilde casa de barriga cheia.

*Atriz Rita Brugnerotti

Faltam adjetivos para falar dessa grande mulher. Eu admiro muito seu trabalho como Nhá Rita e Leco Borba, o ator Ângelo Pereira.
Primeira coisa que admiro nela; nunca a vejo ela triste. Às vezes não sei separar a atriz da Nhá (rs).

Rita tem um histórico de trabalho muito bacana, como atriz profissional já participou de eventos no Revelando São Paulo, Cajati, entre outros. Na cidade de Caraguá ela participa de eventos no Museu, na UPA, AME entre outros. O que mais me chama atenção é o trabalho realizado na Santa Casa. 

Por onde passa, leva sua alegria aos enfermos. E um bom sorriso faz toda a diferença. Além de ser poliglota, Rita vive se atualizando, como em um dos seus cursos com professores internacionais, realizado pelo “Boca do Céu”.

Sobre ser contador de histórias, Rita me disse, “o contador de história é nato. Ou você é ou você não é. Como cantar ou dançar. Eu posso até ter a teoria, as técnicas; mas será que isso fará da pessoa um bom cantor, ou um bom dançarino? Se eu cair do ônibus antes de voltar pra casa, pode ter certeza que disso eu conto uma história. Quem é contador de história é sempre contador de histórias”.   

Já sobre a importância do seu trabalho ela concluiu, “esse trabalho tem uma grande importância, eu tenho a missão de levar alegria por onde passo. Nesse trabalho que desenvolvo na Santa Casa vejo muito isso. Às vezes as pessoas estão tristes, desanimadas e quando vamos lá contar um causo, tudo isso muda. Até a postura das pessoas mudam. Então levar essa alegria faz parte de mim.”

Na vida triste que as pessoas vivem; um mais viciado que o outro quando o assunto é tecnologia, nada mais saudável que rir. Por isso fiz essa singela homenagem em comemoração aos contadores de histórias, data criada em 1991, na Suécia.
Feliz dia à todos os contadores de histórias.


sexta-feira, 16 de março de 2018

Protestos marcam visita de Michel Temer em Caraguá

sexta-feira, março 16, 2018

Michel Temer traz mais visibilidade à cidade


Hoje(16), o presidente da república Michel Temer realizou a entrega de títulos do programa de regularização fundiária no Estado de São Paulo, em Caraguatuba.
Algo bem interessante, afinal; não é sempre que temos nosso presidente no litoral norte. Mas o evento também foi marcado por protestos. Ou seja, a política do Pão e circo não deu certo.

Jovens e adultos se reuniram na frente do Teatro MarioCovas com camisetas, rostos pintados e faixas. Eles gritavam “Fora Temer” entre outras canções. Além de muitas vezes citarem o nome da vereadora Marielle Franco, assassinada nessa semana. Tudo para mostrar a insatisfação da população caraguatatubense com a atual gestão do país. Algo que chamou minha atenção foi: o ato da manifestação foi pacífica entre policiais militares e cidadãos de bem.

A visita de Michel Temer mostrou o poder que o MDB tem ou é por causa da eleição? Essas algumas das questões levantadas por muitos. Mas pela manifestação, alguns votos ele já não tem. Na urna isso faz muita diferença. No evento estavam políticos do litoral norte e vereadores da cidade que foram prestigiar a entrega simbólica dos títulos de propriedade para moradores da cidade.

Um detalhe importante é que os movimentos sociais precisam ser mais trabalhados em nossa região. Associações de bairro, ONG´S entre outros grupos precisam ser fortalecidos. Apenas juntos somos mais fortes. Acho muito engraçado os ativistas facebookeiros, reclamam, criticam a gestão local, o gestor nacional, e na manifestação de hoje onde você estava?  

Aí fica fácil né? Reclamar atrás da tela do computador e não ter atitude? Amigos blogueiros, jornalistas que parecem zangões diariamente, onde vocês estavam?
Sei lá né, quem sou eu para julgar. Só não venha me falar que a país está uma merda, se você não faz sua parte, não critique.

Ah, hoje é sexta-feira, por isso a galera deu uma folga nas críticas. Vamos trabalhar essa conscientização e agir, ter ação. Falar é muito fácil, fazer é mais difícil. Aos que estiveram lá, parabéns por lutarem pelo que acreditam.  Seja sua bandeira de esquerda, direita ou centro. O importante é ser você, um cidadão que luta por seus direitos e seus ideais. 


segunda-feira, 12 de março de 2018

Resenha do Livro: Jornada ao Presságio Vermelho

segunda-feira, março 12, 2018


Essa é a segunda resenha deste ano com a editora Autografia. A primeira resenha foi sobre o livro, “Oscontos de New Locked City”. Já a segunda é sobre o livro “Jornada Ao PresságioVermelho”. Ou seja, este ano comecei muito bem.

Esse não é um gênero que leio muito, mas me senti atraído. Na verdade quis sair da mesmice. A capa chamou muito a minha atenção, foram usadas cores forte, deixando o livro bem atraente. Com relação as suas páginas, eu particularmente como leitor, não gosto de páginas brancas. Prefiro as amareladas. Cansam menos a minha vista na hora de ler. 

Pelo tamanho, tive algumas dificuldades, principalmente para carregá-lo. O livro tem 628 páginas, o que pode pesar para aqueles que levam em suas mochilas, para ler enquanto estão no transporte público, ou até mesmo na fila de espera para pagar uma conta. Aos que fazem uma leitura em casa, não vai ter problema nenhum, é só deixar levar pela aventura.   

Com relação à narrativa e criatividade, o autor está de parabéns. Foi possível notar uma história bem estruturada. Uma narrativa detalhada, sabe os detalhes que passam sentimento e realmente fazem você entrar como personagem da história? 

A narração do Carvalho Rodrigues tem esse poder. E isso me surpreendeu muito. Estou muito feliz em saber que há bons escritores nacionais e merecem meu respeito.  O livro transpassa através da leitura, um bom conhecimento sobre o mundo medieval, fantasia e mitologia. Uma aventura perfeita aos amantes desse gênero.

Usando um pouco da semiótica, o livro traz fatores importantes para os nossos dias. Na página 38 do livro, diz,

“Vivemos em um mundo repleto de raças e espécies diferentes(...)Devemos sempre tentar esquecer nossas diferenças e focar no que somos parecidos”.

Isso chamou muito minha atenção e me fez refletir de como isso é importante para nós. Somos de diferentes culturas, etnias, raças, classes sociais, e o que isso importa? Devemos focar no ser humano, no amor ao próximo, para assim construirmos um mundo melhor.

Se unirmos nossas diferenças podemos ser muito mais fortes em qualquer aspecto da vida. Pensar mesmo no coletivo. Por exemplo, eu sou jornalista e gosto de escrever, mas se você pedir para eu resolver um problema matemático, rs, posso até conseguir, mas não é minha praia. Já meu amigo não gosta de escrever, mas sabe calcular muito bem. Afinal ele é engenheiro. Juntos podemos solucionar o problema. Podemos achar a solução desse problema e escrever detalhadamente como resolver ele.  Enfim, juntos somos mais fortes.

Neste livro você poderá embarcar nessa aventura.  

Sinopse
Leonel escapou de uma seita fanática, mas durante a fuga acidentalmente libertou uma criatura assassina que desde então vem espalhando terror em Arrhênia. Enquanto convive com a culpa, o rapaz encontra um mago maltrapilho, este lhe oferece uma oportunidade de redenção. Ao receber do homem a espada Lamento de Fafnir, cujo poder vem do coração de sete dragões, o jovem inicia sua jornada, passando por caminhos tortuosos, enfrentando criaturas mortais e conhecendo heróis aventureiros. Aventureiros como Alana, uma jovem cheia de energia que percorria o reino em busca de glória até descobrir que sua irmã foi assassinada por traficantes de drogas e políticos corruptos de sua cidade natal. Em busca de vingança, Alana e seus amigos se unem a Leonel para encontrar a única maneira de destruir o Alce Negro e trazer paz novamente ao reino de Arrhênia: o Presságio Vermelho.



Livro: Jornada ao Presságio Vermelho 
Autor: Carvalho Rodrigues
Editora: Autografia
Gênero: Ficção
ISBN: 978-85-518-0640-1




sexta-feira, 9 de março de 2018

Rosa Luxemburgo: Uma mulher que lutava e acreditava

sexta-feira, março 09, 2018

Foto: Blog Sarau Para Todos
Rosa Luxembrugo e Liebknecht, em dezembro de 1918, lideraram um levante armado contra o governo alemão. Os spartaquistas tomaram Berlim, com a ajuda de soldados e marinheiros amotinados. Com o apoio do marechal Hindenburg, que liderou tropas vindas da frente de batalha, Ebert dominou a insurreição. Liebknecht e Rosa Luxemburgo foram assassinados.
Rosa Luxemburgo morreu em Berlim, Alemanha, no dia 15 de janeiro de 1919. - https://www.ebiografia.com/rosa_luxemburgo/
Rosa Luxemburgo. Nesse post não teria como deixar de falar dela. É nesse perfil que início meu texto. Como perceberam, essa semana foi bem especial, procuramos assuntos que fossem referência à mulher. Na minha concepção, ela é uma das maiores influenciadoras feministas e merece meu respeito.

Sem entrar nas questões políticas e sem fazer analises sobre esquerda, direita, certo ou errado. Sem julgamentos com relação a isso. A visão a ser passada é o quanto ela lutou pelo que acreditava. No entanto que acabou sendo morta pelos militares.

Até que ponto as mulheres estão dispostas a lutarem pelo que acreditam? Quais são os seus ideias? Não estou falando de usar facebook ou qualquer rede social para seu discurso de ódio. Estou querendo dizer em lutar com unhas e dentes. Ter teoria e embasamento para debater sua tese. Mostrar talvez que fazer algo diferente, fora do PADRÃO, não é anormal.
Foto: Blog Sarau Para Todos
Por isso Rosa Luxemburgo serve como referência. Claro que também temos mulheres que mereçam não só o meu, mas o nosso respeito. Mulheres batalhadoras que estão pegando no batente logo cedo. Que muitas vezes sustentam sua família, e até mesmo aquelas sonhadoras. Essas que acreditam em um mundo melhor.

Mulheres que lutam por seus ideais. Mulheres que morreram pelo que acreditavam.  As mulheres sem voz, não desanimem, se unam, façam a diferença. Saiba que ninguém é melhor que ninguém para desprezar ou abusar de vocês. Acreditem no poder e na capacidade existente dentro de cada uma de vocês. Assim como Rosa Luxemburgo, não deixe ninguém falar que vocês não são capazes de chegar onde querem.


Espero ter conseguido passar alguma mensagem positiva, e saibam que admiro todas, mesmo as menos conhecidas. Não importa em que lugar do mundo esteja, lute, acredite e conquiste!

quarta-feira, 7 de março de 2018

Rap das minas: Coletivos e projetos do rap feminino

quarta-feira, março 07, 2018
A cada dia que passa vejo as mulheres tomando conta da cena do rap nacional. Fico muito feliz por isso, pois no rap sempre é falado sobre a luta contra o preconceito, e o preconceito existente na nossa sociedade não é apenas o racial, mas também o preconceito contra a mulher, então a mulher conquistando o espaço que antigamente era de maioria masculina, é uma grande vitória.


Hoje fiz a seleção "Rap das Minas", com as músicas que eu já venho curtindo há algum tempo e que acho que é legal compartilhar com vocês, para vocês conhecerem o trabalho delas também.

Rimas e Melodias

Um coletivo formado por rappers brasileiras de muito estilo: Drik Barbosa, Karol de Souza, Alt Niss, Tássia Reis, Stefanie, Tatiana Bispo e a Dj Mayra Maldjian.
Do grupo só conhecia a Drik, Karol e Tássia, mas quando ouvi o som de todas juntas curti demais.

"Rimas & Melodias" é um grupo focado na música, e trazem no nome o que realmente importa: as rimas e melodias. Formado em 2015 por seis MCs e uma DJ, o grupo é responsa e produz uns trampos de qualidade, ao ritmo do rap e R&B. Neste trabalho, o tema da música é reforçar a figura da mulher, usando como inspiração a cantora Elza Soares.
fonte: Canal Kondzila




Timeless Cypher - "Mulheres"

A gravadora Timelesss Records reuniu as rappers Bella Larbac, Mary Janes, P. Drita e Budah. nesta cypher que fala sobre respeito e emponderamento.
Essa música é dedicada a todas as mulheres que sofreram qualquer tipo de violência. A dedicatória encontra-se no final do vídeo.

MÁXIMO RESPEITO !
Mulheres pra cima.
Honrar a cor que temos.
Jeito que queremos viver.
Podemos sim !
Juntas!
Trecho de Bella Larbac




Poetisas no Topo

Após o lançamento dos vídeos do projeto Poetas no Topo idealizado pela Pineapple Suply, foi a vez das mulheres participar desse projeto intitulado Poetisas no Topo.
Nessa cypher podemos ver duas integrantes do Rimas e Melodias: Drik Barbosa e Karol de Souza, além de Marianna Mello, Bivolt, Nabrisa, Azzy e Souto.

Os ladrão mesmo tão em Paris, gastando nosso dim suado 
Minhas rima são tapa na cara 
Te acorda e confronta 
Jogamo bem na sua cara, tipo a Pablo Vittar 
Muito talento e conteúdo, cês não pode evitar 
Jogamo limpo e já ganhamo e cês vão ter que aceitar 

Trecho de Drik Barbosa



Espero que tenham gostado da minha seleção.
Já conhecia algum desses trabalhos?

Até o próximo post! Beijos

segunda-feira, 5 de março de 2018

Contos eróticos são os mais lidos pelas mulheres

segunda-feira, março 05, 2018

Foto: Shutterstock
Os Contos eróticos estão em grande expansão, principalmente se tiver uma história bem interessante. Quem conhece ou melhor, visitava bancas de jornais, devem ter percebido diversos livros eróticos. Isso não é algo novo, já existia desde os tempos da minha vó. Para entendermos melhor. A grande febre do livro 50 Tons de Cinza, esse mesmo. Estourou em vendas. Ele virou até filme. Aí o mercado realmente aqueceu e abriu espaço para vários escritores.

Nesse aspecto, eu conversei com a escritora brasileira Janete Cléa. Ela escreve contos eróticos, e diga-se de passagem, ela escreve bem e tem muitas leituras. Seus livros já tiveram mais de 600 mil leituras. Nada melhor que ler um bom livro. 
   
Nesse post você saberá quem é essa escritora e entenderá um pouco sobre seu trabalho.

Regis Thiago - Quem é Janete Cléa? Gostaria de saber um pouco sobre sua história como escritora.

Janete Cléa - Janete Cléa é meu nome real, por alguma razão do destino recebi este nome como uma homenagem a grande novelista Janeth Clair. Acho que aí meu destino já estava sendo selado e para completar, ainda nasci no Dia Nacional da Língua Portuguesa (10/06). Pra quem acredita que o destino conspira a favor, aí está um grande exemplo disso.

Sou de uma família em que tanto meu pai quanto minha mãe eram analfabetos, mas nunca faltou em minha casa gibis, livros infanto-juvenil e romances de banca de jornal( Júlia, Sabrina e Bianca). Assim devorei todos eles e pra mim foi mais do que natural inventar histórias, afinal vivia cercada delas. Acredito que senti que poderia emocionar alguém com a minha escrita a partir de uma atividade proposta pela professora de português. Tínhamos que fazer a continuação da história “Vidas Secas”. 

Lembro que meu texto foi selecionado para ser lido em voz alta pra turma, quando terminei e a professora estava com os olhos cheios de lágrimas e os demais alunos em completo silêncio. Provavelmente, foi ali que senti que poderia criar algo... Quando terminei a faculdade, fiquei com bastante tempo livre até conseguir passar num concurso público. Nesse período, escrevi muitos contos eróticos, que eram lidos por minhas amigas. 

O tempo passou, vim morar na Argentina e a saudade da minha língua me fez voltar a escrever. Procurei sites para ler em português gratuitamente e conheci Wattpad , quando vi além de ler estava postando também. E os leitores através de seus comentários demonstravam que meu texto os emocionavam...Isso foi como fogo em pólvora. Tomei gosto por envolver o leitor com minhas histórias!


R.T. - Quantos livros publicados? Todos de forma digital? 

J.C. - Tenho 1 em forma digital na Amazon, “Theodora”, mas pelo que a editora me prometeu este mês já estará impresso. E em novembro, sairá digital outro romance meu, “A Outra”, uma de minhas histórias com mais acessos no Wattpad. Espero que tenha o mesmo sucesso na Amazon também. Sim, sou esperançosa. rssssss

R.T. - Você comentou ter 8 romances eróticos, por que misturar romance e erotismo? 

J.C. - Estamos num momento em que a liberdade sexual é tão questionada quanto na metade do século passado. É impressionante essa minha afirmação, mas é real e basta observar os vários comentários pejorativos em qualquer post ou matéria que envolva o corpo feminino ou a forma que muitas de nós nos relacionamos com nossos parceiro(a) (s). Sem falar no preconceito que os autores de romance erótico sofrem por parte de alguns “intelectuais”, que acreditam que somos menos intelectuais por criarmos histórias que contenham cenas de sexo. Há quem “vomite” que escritoras de romance erótico são “mulheres mal comidas”(É chula a expressão, mas é assim mesmo que se referem a nós). Voltando a sua pergunta “Por que misturar romance com erotismo?”, respondo com outra pergunta “Por que não?!”.

Uma vez conversando com leitoras de romance erótico, descobri que havia mulheres que com quase 50 anos gozaram pela primeira vez na vida depois que passaram a ler esses romances. Cheguei a brincar dizendo que são livros de utilidade pública, mas deixando de lado a brincadeira, acho importante atingir o leitor seja com drama, humor ou erotismo. Assim misturo romance com erotismo e em alguns casos, com uma pitada de humor e em outros, com um drama rasgado.

R.T. -Você se identifica com alguma de suas personagens?

J.C. - Procuro não buscar me reconhecer ou colocar traços de minha personalidade em meus personagens. Separo bem a autora do personagem. Eu sou eu e eles são eles, justamente para que eles atuem de forma independente.

R.T.- Quais são suas inspirações e ideias para escrever? Qual sua rotina? Suas metas de livros? 

J.C. - Eu me inspiro no cotidiano. Quer inspiração melhor do que o dia a dia de todos nós? Escrevo histórias que qualquer mulher vive ou viveu. Somos complexas e nossas relações idem.

Pretendo que meus livros sejam lidos por maior número de pessoas possível, pensando que não sou uma celebridade no mundo literário. Sou mais uma escritora batalhando sem “quem indique”, sem dinheiro para investir no meu sonho, mas sigo lutando para que minhas histórias sejam lidas.

R.T. - Você acredita que muitas mulheres se identificam em suas histórias? 

J.C. - Tenho certeza que muitas mulheres se identificam com minhas histórias. Sinto a empolgação e o sofrimento delas, a cada capítulo postado no wattpad. É muito interessante e, verdadeiramente, empolgante a relação do leitor com minhas histórias.

Quem é Theodora??
Uma mulher de negócios e bem sucedida, acostumada que tudo ocorria de acordo com seus desejos e com um passado turbulento. 
Uma mulher extremamente livre que se envolve num relacionamento a fazendo rever seus conceitos sobre e para quem vale a liberdade. Será que finalmente Theodora está apaixonada? Ou será que é mais um em sua lista de conquistas? 




Autora: Janete Cléa, nascida em Nova Iguaçu/Rio de Janeiro, aprendeu a amar a leitura quando criança, o quê a levou a fazer faculdade de Letras (UFRJ). Desde adolescente descobriu que poderia escrever suas próprias histórias como aquelas que lia nos romances de banca de jornal( Bianca, Júlia e Sabrina), mas apenas começou a escrever pra valer quando foi viver na Argentina em 2014. Lá ela escreveu 8 romances eróticos e alguns contos que postou no Wattpad( um aplicativo de leitura gratuita), em 2017 foi contratada pela Editora Livros Prontos e duas de suas obras estão à venda na Amazon em formato ebook e "Theodora" está também impresso, vendido no site da editora. Até o final deste ano, há previsão para que mais duas de suas obras se tornem físico.